quarta, 27 abril 2022 14:16

Comemorações 48. Aniversário do 25 de Abril em Oliveira do Hospital

 

Os ganhos da sociedade com a vida em democracia, a memória e o compromisso com o futuro e o reforço na continuidade da batalha do interior face às questões da descentralização marcaram os discursos das comemorações dos 48 anos do 25 de Abril em Oliveira do Hospital.

Naquela que foi a primeira intervenção de Abril no comando do município de Oliveira do Hospital, o presidente da Câmara Municipal, José Francisco Rolo falou dos motivos “emotivos” para “celebrar o 25 de Abril de forma efusiva”, destacando os caminhos já percorridos que desaguaram nos dias de hoje, nomeadamente ao nível das questões da justiça social.

“A liberdade continua a ser a causa maior pela qual vale a pena lutar. Só em liberdade e com democracia há verdadeira justiça e autonomia dos poderes. Em Portugal, Abril continua a ser uma luz. Há um compromisso com a memória, de onde viemos, e um compromisso com o futuro”, frisou o autarca.

Na Sessão Solene, o presidente da Câmara Municipal salientou a importância de “continuar a trabalhar para cumprir Abril” numa terra onde se orgulha de celebrar “sem reservas, de forma aberta e expressiva”, desde 2010, o 25 de Abril.

José Francisco Rolo, reforçou a ambição de “um futuro de progresso, paz, justiça social e bem-estar”. Um futuro que, “com a coragem de todos os dias”, ambiciona para a população, “sem elitismos nem segregação”.

Num concelho, onde, vincou, a Câmara Municipal é um “porto de abrigo dos mais vulneráveis”, para a seguir questionar sobre “como é possível fazer-se mais com menos, com mais responsabilidade e menos dinheiro”, numa alusão à transferência de competências para as autarquias da Administração Central.

Perante o público do Salão Nobre da Câmara Municipal, numa sessão que já decorreu sem as máscaras impostas pela pandemia, José Francisco Rolo abordou ainda “problemas para resolver” por força da crise mundial devido à guerra da Ucrânia.

Realidade que, conforme sublinhou, está a trazer um aumento generalizado do custo de vida da população, mas que também vem mostrar a nação “integrada e respeitada” que é Portugal no seio da União Europeia.

“O mesmo acontece em Oliveira do Hospital e exemplo disso é a integração de mais de duas dezenas de refugiados ucranianos, que aqui encontraram a paz e que já estão em integração e a aprender a língua portuguesa”, referiu.

No ano em que Portugal atingiu mais dias em democracia do que em ditadura, o presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, na sua intervenção, reforçou as melhorias da vida da população e os ganhos da sociedade com a democracia.

“Valeu a pena. O poder local, as câmaras municipais, as juntas de freguesia ganharam aquilo que nunca tiveram em ditadura. Hoje, somos um país da União Europeia por sermos um país democrático”.

Com o poema “Foram dias, foram anos a esperar por um só dia”, de Manuel Alegre, seguido de uma homenagem aos Capitães de Abril e às vítimas da guerra da Ucrânia, José Carlos Alexandrino, o também deputado do PS da Assembleia da Republica, afirmou ainda o Serviço Nacional de Saúde e o salto qualitativo da educação pública, hoje obrigatória, como as maiores conquistas de Abril. Por isso mesmo, “é preciso continuarmos a acender a vela do 25 de Abril. Para, sobretudo, transmitir os valores da liberdade”, afirmou.

Contudo, e apesar do balanço “mais do que positivo”, ciente de que a democracia não veio resolver todos os problemas dos portugueses, José Carlos Alexandrino deixou presente a preocupação latente perante os problemas da demografia, sobretudo nos territórios de baixa densidade.

“Fomos construindo neste tempo da democracia um país de litoral e um país de interior. Criámos dois países dentro do próprio país. E digo que é preciso inverter as políticas em relação ao interior”.

A Sessão Solene das comemorações do 25 de Abril em Oliveira do Hospital contou, entre outras entidades, com as presenças do executivo municipal, deputados municipais, juntas de freguesia, dos representantes dos partidos que têm assento na Assembleia Municipal, bem como os conhecidos deputados da primeira Assembleia após o 25 de Abril de 1974, António Campos e Manuel da Costa.

A cerimónia protocolar teve início às 10h00 com o hastear das bandeiras nos Paços do Município pelos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, ao som do Hino Nacional interpretado pelo Coro Infantojuvenil e Coro Juvenil de Sant´Ana. A Sessão Solene contou com momentos musicais e de poesia por Júlio Pereira e a dupla Raquel Paixão e Tiago Oliveira.

No período da tarde, no Jardim Dr. Oliveira Mano, decorreu o VI Encontro Concelhio de Filarmónicas, com as filarmónicas da Associação Filarmónica Fidelidade de Aldeia das Dez, Filarmónica Sangianense e Sociedade de Recreio Filarmónica Avoense. O momento culminou com um desfile conjunto das bandas pelas ruas.

O programa municipal das comemorações dos 48 anos das Revolução, integrado no programa oficial dos 50 anos do 25 de Abril, a decorrer a nível nacional até 2024, é assinalado no concelho de Oliveira do Hospital com concertos, atividades desportivas, artes e exposições e estende-se até 13 de maio.

        

ptnlenfres

CONTACTOS

 

Username *
Password *
Remember Me